Artigos e afins

O Autodidata e o Shiatsu

Resultado de imagem para autodidact

Shiatsu e Autodidatismo: O Suporte ao praticante de Shiatsu Autodidata no Brasil

Escola Shiem reconhece e oferece espaço de desenvolvimento a esse tipo de praticante

Por Arnaldo V. Carvalho

Sabemos que no Brasil há muitos terapeutas autodidatas, em diversas técnicas. São pessoas sérias que se debruçam sobre seus temas de estudo com afinco e, por vezes, demonstram mais profundidade de conhecimento do que muita gente que tem um diploma de formação.

O autodidatismo, ou seja, a capacidade de aprender por conta própria, vem ajudando as terapias naturais, incluindo o Shiatsu.

O mundo está cheio de autodidatas competentes em todas as áreas: arquitetura, tecnologia, artes, humanidades, saúde (veja mais).

No campo das terapias, nem precisamos ir longe: temos muitos exemplos de autodidatas brilhantes que fizeram história nas últimas décadas.

  • TOKUJIRO NAMIKOSHI (Shiatsu Namikoshi)
  • ALEXANDER (Técnica de Alexander)
  • GERDA ALEXANDER (Eutonia)
  • MOSHE FELDENKRAIS (Método Feldenkris)
  • JOSEPH PILATES (Pilates)
  • LIONEL LOGUE (lembra do fonoaudiologo do filme “O Discurso do Rei”? Ele realmente existiu)
  • WILHELM REICH (formou-se médico e a partir daí passou a estudar física, sociologia, antropologia, meteorologia entre outros…)

Alguns desses autodidatas depois participaram de formações, como ocorreu com Namikoshi; outros deram guinadas na carreira e efetuaram descobertas após a obtenção de um diploma,  através do autodidatismo – como Wilhelm Reich. E há aqueles que, firmaram-se em suas carreiras sem recorrerem a cursos, professores e formações, como Alexander.

Mesmo com tantos exemplos de terapeutas brilhantes não diplomados naquilo que fizeram (ou criaram) – demonstrando que um autodidata pode ser tão bom quanto alguém que fez uma formação convencional – há uma tendência do profissional de Shiatsu medir e ser medido pelo peso do diploma que ele comporta.

Leia nosso artigo “Compradores de Certificados” como complemento a esse artigo

Papéis de reconhecimento (certificados, diplomas e similares) não são garantia de conhecimento, e isso têm se comprovado na prática no mercado do Shiatsu: não consegue espaço quem tem diploma, senão quem é extremamente competente – uma minoria, visto que os programas de formação hoje são quase sempre obsoletos, ou insuficientes.

Infelizmente o Brasil encontra-se cristalizado em um modelo de educação ultrapassado, centrado em provas, carga horária fixa e diplomas. Como se todas as pessoas mesmo sendo tão diferentes umas das outras aprendesse as mesmas coisas no mesmo tempo. Como se fosse obrigatório que aprendessem exatamente as mesmas coisas, inclusive.

Esse um modelo é excludente e robotizante, que não consegue garantir a competência* de um aluno que passe por uma formação.

A baixa oferta de cursos, a qualidade em geral aquém do que desejaria uma pessoa exigente, e mesmo uma popularidade reduzida do próprio Shiatsu somam razões para que muitos interessados partam para o autodidatismo na tentativa de aprender e aprofundarem-se no Shiatsu.

Assim, partem para o estudo por textos, livros e vídeos. Alguns livros são tão belos em filosofia, e com práticas tão bem descritas, que o leitor se sente seduzido a tentar, por conta própria, começar a fazer Shiatsu. Como é positivo quando isso acontece! Mas ainda são poucos os bons livros em português, e nenhum deles pode ser considerado como “a obra definitiva”. Naturalmente, um livro não pode oferecer tudo o que um praticante precisa saber. Vídeos também não conseguem dar suporte às diferenças de corpo que existe entre um praticante e outro, aos detalhes de movimentação e concentração, e à concatenação entre teoria e prática.

Enfim, o autodidatismo no Shiatsu possui limites. O aprendiz espontâneo, por vezes, não consegue encontrar soluções em livros ou em sua prática, e sente falta de ter com quem trocar. É aí que entra perfeitamente um grupo de estudos, a figura de um mestre, um curso excelente. E esse tipo de suporte ao autodidatismo, até onde posso conceber, só é oferecido na Escola Shiem de Shiatsu.

Nenhuma outra oferece a esse aluno:

1. Um modelo de acompanhamento ao aluno após o curso;
2. Um modelo de formativo constante e de acordo com o tempo, dedicação e ritmo de cada um;
3. Um modelo capaz de dar suporte ao praticante avançado.
4. Uma base curricular que respeita preferências e diferenças, sem abrir mão de competência.

Essas características têm atraído alunos autodidatas de todo o Brasil, que finalmente encontraram “sua tribo”, e isso é uma satisfação grande para nós.

O autodidata é por natureza exigente.  Ele não está disposto a pagar pelo que já sabe, pelo que aprendeu e refletiu com os livros. E nem isso ocorre na Shiem, pois para quem vem de outras formações ou aprendeu parte do Shiatsu por conta própria, é possível demonstrar o que sabe e obter descontos equivalentes a tais conhecimentos, através do Bolsão Shiem.

Saiba sobre o no Bolsão Shiem

Nosso método pedagógico é estimulante para autodidatas. Além das aulas práticas, concentradas para otimização de tempo, há exercícios mensais, desafios de aprendizagem, cronograma de estudos, e uma monitoria personalizada. Finalmente, o autodidata encontrou um norte no Shiatsu.

Arnaldo V. Carvalho

Diretor da Escola Shiem de Shiatsu

* Definimos aqui ser competente como mais do que conseguir reter informações na memória – o que pode ser o suficiente para se passar em uma prova. Fundamentalmente, competência é saber o que fazer com essa informação, fazer associações e atuar em profundidade, adequando seu conhecimento para variadas situações.


SEJAM TODOS BEM VINDOS NA ESCOLA DE SHIATSU SHIEM

Fale conosco: escoladeshiatsu@yahoo.com.br

 

Anúncios
Notícias

“Campanha das Bananas” ganha mais uma corrente contra o preconceito

Alunos do curso de Shiatsu Emocional em Santa Maria, RS, decidem divulgar nas redes sociais a foto “Somos Todos Macacos”, em repúdio a nova onda de provocações racistas ocorridas no mundo do futebol.

Praticantes de Shiatsu dão bananas ao preconceito!
“SOMOS TODOS MACACOS”, Campanha da ESCOLA SHIEM entre alunos – Nesta, foto da turma de Santa Maria dando uma banana ao preconceito!

A Escola SHIEM está engajada em fomentar uma consciência mais expandida entre as pessoas, e seguirá assim.

Uma pessoa que faz Shiatsu com profundidade em geral fecha seus olhos e sente o outro. Olhando com a pele, sente-se mais do que texturas ou a presença de calor, pelos, etc. Sente-se a energia do outro, que, independente da origem de uma pessoa, é sempre a mesma bela energia humana. Com suas dores, amores, medos, tristezas, alegrias, e força de vida. Enquanto se está vivo.

Arnaldo V. Carvalho

Agenda: Cursos Eventos etc.

Cursos 2013 de Shiatsu Emocional – Calendário em todo o Brasil

Confira nossa agenda 2013:

16 e 17 de março, 6, e 7 de abril – Shiatsu Emocional (básico, Rio de Janeiro)

30 de maio a 2 de junho (intensivo corpus christi) Básico, Sta Maria, RS

15 a 16, 29 e 30 de junho (Niterói -Ortobio)

16 a 18 de agosto, 27, 28 e 29 de setembro (curso básico intensivo – Cuiabá)

10 a 13 de outubro (intensivo Florianópolis – Relluz)

5 a 8 de dezembro (intermediário Rio – intensivo)

Em breve anunciaremos novas datas e locais.
Os cursos de nível avançado não são divulgados.

Descontos para: pagamento antecipado, associados ABRASHI, acupunturistas, profissionais de Shiatsu. Façam contato! escoladeshiatsu@yahoo.com.br