Artigos e afins

Shiatsu: Terapia ou técnica? Depende do uso.

Professores Hirã Salsa e Izis Nayara praticando Shiatsu em encontro avançado da Shiem (2018)

Por Arnaldo V. Carvalho*

É muito comum encontrarmos em textos a palavra “técnica” nas definições do que seria o Shiatsu. Isso é correto? O Shiatsu seria uma “técnica”? “Técnica” seria a mesma coisa que “terapia”? O que difere uma terapia de uma técnica?

A técnica se refere a um fazer, um modo de praticar. Assim, o Shiatsu contém uma série de técnicas, que incluem o posicionamento dos praticantes, a forma de pressionar o corpo, os locais escolhidos, a ordem e direção das pressões, como reagir diante de diferentes situações, etc. Por vezes, o todo dessas técnicas é simplesmente agrupada sob o termo “a técnica do Shiatsu”.

O uso da palavra técnica se popularizou porque há uma tendência de se ensinar Shiatsu por meio de cursos técnicos. Cursos que privilegiam os conteúdos procedimentais, o como fazer, em detrimento dos conteúdos conceituais e atitudinais que também participam do Shiatsu (Carvalho, 2018). Produziu-se um vício de linguagem, que reduz o Shiatsu a uma ferramenta, um acessório utilitário para uma série de terapias.

O Shiatsu, no entanto, não se limita a esse conjunto de fazeres. Constitui-se de uma terapia cujo corpo técnico é apenas um de seus componentes.

Terapia é um tratamento, uma forma de cuidar, que inclui um conjunto de saberes e práticas. São esses saberes que permitem a um terapeuta ir além de protocolos, além de um fazer “mecânico”, ir além de apenas uma técnica. Em suma, há uma sabedoria contida na terapia, para além da técnica. Quando se diz simplesmente que o Shiatsu é uma “técnica”, ele é reduzido, e muito da riqueza desta terapia é perdida.

Não é mal que outras terapias utilizem técnicas originais do Shiatsu, pelo contrário. O Shiatsu também, com frequência e em todo o mundo, também se apropria de técnicas de outras terapias. Afinal, faz parte de ser terapeuta a busca permanente por desenvolvimento, que não precisa ocorrer com as restrições e limitações que toda terapia apresenta.

Quanto mais se verbaliza Shiatsu terapia, mais afirmamos ao mundo sua profundidade e alcance. Ao leitor, torço que entre em contato com esta bela Terapia, que contém interessantes técnicas e muita sabedoria.

***

Referência:
Carvalho, Arnaldo V. Shiatsu e Escola Básica: Diálogos Pedagógicos. Trabalho de conclusão de curso. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, 2019.

* Arnaldo V. Carvalho começou a praticar Shiatsu em 1993 e nunca mais parou. É o atual coordenador da Shiem Shiatsu, comunidade e escola, com praticantes em várias partes do Brasil e exterior.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s